Royal Caribbean

Royal Caribbean admite pior ano da história mas permanece otimista para 2021 e 2022

Anthem of the Seas

O Royal Caribbean Group anunciou os resultados financeiros para o ano de 2020 e forneceu uma visão sobre o rumo que a empresa seguirá este ano. Como  esperado, a empresa reportou enormes perdas devido à pandemia de Covid-19, admitindo que é o momento mais difícil da sua história.

Apesar de tudo as reservas estão em bom ritmo e o feedback dos passageiros em cruzeiros em Singapura, no Quantum of the Seas, e nas Ilhas Canárias, a bordo da sua participada TUI Cruises têm sido extremamente positivos.

O CEO e presidente da Royal Caribbean, Richard D. Fain, classificou os últimos 12 meses como os mais dolorosos pelos quais a empresa já passou na sua história. As marcas da empresa, Royal Caribbean International, Celebrity Cruises e Silversea estão virtualmente paralisadas desde a pausa voluntária das operações da empresa a 13 de março de 2020.

Fain disse:  “A pandemia COVID-19 está a ter um impacto doloroso e profundo no nosso mundo e nos nossos negócios; inquestionavelmente, esta crise é a mais difícil da história da empresa. Continuamos confiantes sobre a capacidade da nossa empresa recuperar e retomar a trajetória positiva em que estávamos anteriormente.

O presidente permanece otimista, pois acredita que uma queda acentuada nos casos e o aumento da vacinação mostram que um regresso pode estar iminente: “Somos encorajados a ver a queda acentuada de casos e a crescente disponibilidade de vacinas. Mal podemos esperar para voltar e mostrar o mundo às pessoas e criar ótimas lembranças.”

Embora o regresso aos cruzeiros seja algo ansiosamente esperado, agora mesmo a companhia estará focada nos números financeiros, que para todos os efeitos, não parecem bons. 1,4 mil milhões de dólares é o prejuízo que o grupo Royal Caribbean teve no 4º trimestre do ano passado, 5.8 mil milhões no conjunto do ano. A perda no quarto trimestre e no ano inteiro de 2020 resulta do impacto da pandemia Covid-19. A Royal Caribbean continua com perdas mensais superiores a 250 milhões de dólares e prevê-se que aumentem quando for dado ordem aos tripulantes para regressarem a bordo e prepararem a retoma das operações.

Apesar de tudo a data para a retoma da companhia ainda é uma incógnita. Embora os navios estejam atualmente programados para partir no final de Abril e Maio, a empresa reconhece que os procedimentos do CDC (Centro de Controlo de Doenças dos EUA) permanecem obscuros em muitas áreas.

Leia também  Rhapsody of the Seas irá fazer cruzeiros pelo Adriático, Ilhas Gregas, Israel e Mediterrâneo Ocidental em 2022

Estes procedimentos são uma etapa importante, mas devido à falta de especificações, prazos e custo de implementação desses requisitos, a Royal Caribbean espera que o regresso seja faseado no tempo. Os cruzeiros iniciais terão ocupação reduzida de passageiros, itinerários modificados e protocolos de saúde e segurança aprimorados.

Uma nota positiva são os navios que navegam em Singapura e nas Ilhas Canárias. O Quantum of the Seas está a operar a partir de Singapura e a TUI Cruises, uma afiliada parcialmente controlada, tem três navios nas Ilhas Canárias desde Novembro.

Os passageiros têm dado indicações muito positivas e também vemos uma proporção maior de passageiros de primeira viagem do que o esperado. Acreditamos que esses cruzeiros, mesmo antes da disponibilidade das vacinas, estão a ajudar e a demonstrar aos outros como podemos operar com sucesso no ambiente atual do COVID-19.

As reservas têm sido excelentes para todas as três marcas. As reservas para o primeiro semestre de 2022 estão dentro dos limites históricos. Porém, mostra como é grande a vontade das pessoas em voltar aos cruzeiros, visto que a empresa gastou pouco em marketing ou vendas.

Aproximadamente 75% das reservas feitas para 2021 são novas e 25% devem-se ao resgate de FCCs e ao programa “Lift & Shift“. A empresa continua a fornecer aos passageiros com viagens suspensas a opção de solicitar reembolso, receber um FCC ou adiar a sua reserva para o ano seguinte.

Depois da venda da Azamara no mês passado por 201 milhões de dólares e do Celebrity Xperience, Majesty of the Seas e Empress of the Seas também saíram do grupo três navios da Pullmantur. Mesmo assim, espera-se que vários navios sejam entregues nos próximos 24 meses. Espera-se que cheguem o Odyssey of the SeasSilver Dawn, Wonder of Seas e o Celebrity Beyond.

 

Add Comment

Click here to post a comment

Leave a Reply

Nuno Ribeiro

Olá, o meu nome é Nuno Ribeiro e sou fundador do Blog dos Cruzeiros, um blog sobre o mundo dos grandes cruzeiros, onde pode encontrar notícias, opiniões, sugestões, guias, companhias, navios e muito mais.

Sempre que subo a bordo de um navio descrevo toda a experiência aqui para que possa ajudar quem pretende fazer um cruzeiro. Boas leituras!