fbpx
Experiências MSC Cruzeiros

O meu Cruzeiro nos Emirados a bordo do MSC Virtuosa (o que ver e o que visitar neste fantástico itinerário)

Se um Cruzeiro nos Emirados não está na sua lista, pode colocar já! Veja o que não perder neste artigo, destino por destino, tudo o que fizemos :-)

Março é sempre um ótimo mês para voltar a fazer um cruzeiro nos Emirados!

Como dizem os emiratis, aqui só há duas estações: a do calor e a do muito calor! ☀️

E a do calor acaba em Março/Abril, com temperaturas muito agradáveis, na casa dos 25, 30 graus. Depois disto, vem a estação dos 40, 50 graus, a tal estação do “muito calor“, o que torna a visita a esta região do globo não tão convidativa.

Desta vez subimos a bordo do MSC Virtuosa, na mega-metrópole do Dubai, para um itinerário que nos levaria por Doha, no Qatar, Manama, no Bahrain, Abu Dhabi e Sir Bani Yas, nos Emirados Árabes Unidos.

Saímos de Lisboa em voo direto da Emirates, que decorreu sem qualquer problema, até chegarmos ao Dubai. Por incrível que pareça, o piloto teve que fazer uma espera para poder aterrar no Aeroporto Internacional do Dubai (DXB) devido às chuvas intensas que se faziam sentir neste emirado.

Sim, também chove por cá!

É certo que chove meia dúzia de dias por ano no Dubai, mas nós acertamos em cheio! Estava a chover e as consequências fizeram-se sentir, principalmente no trânsito, onde as (boas) estradas não estão preparadas para tanta quantidade de água.

Isto afetou a nossa primeira excursão, na parte antiga do Dubai, que resolvemos adiar para o último dia. Em vez disso, dirigimo-nos diretamente para o Terminal de Cruzeiros de Port Rashid, para embarcar no MSC Virtuosa.

Port Rashid é um terminal de cruzeiros moderno e amplo, que nos permitiu, de forma simples e célere, efetuar o check-in em poucos minutos, mesmo estando o navio completamente cheio.

MSC Virtuosa

MSC Virtuosa

O MSC Virtuosa é o 4º navio da classe Meraviglia, um dos melhores navios a fazer itinerários pelos Emirados. Em 2025 será substituído pelo seu irmão mais novo, o MSC Euribia.

Esta classe é uma das minhas favoritas, principalmente pelo seu desenho interior, com a sua extensa promenade a ser o coração vibrante do MSC Virtuosa. É daqui que tudo flui, quer seja para o impressionante teatro, no início da promenade, quer no sentido inverso, onde se encontra a atrium principal, com música ao vivo, e ainda o Carousel Lounge, um espaço para espetáculos mais intimista.

Deck das Piscinas

Ainda na promenade, existem várias opções de restaurantes, todos da especialidade, como o Kaito Teppanyaki & Sushi Bar, ou meu preferido, o Butcher’s Cut. Também para os mais gulosos, estão dois dos principais espaços, a chocolataria Jean-Philippe Maury, com mais de 40 tipos de chocolate, e também a Crêpes & Gelato.

O melhor itinerário para um Cruzeiro nos Emirados?

Grande Mesquita do Sheikh Zayed

Pois é, este é talvez o melhor itinerário que pode encontrar nos Emirados Árabes Unidos. É certo que não visita Muscat, em Omã, um ótimo destino, mas todos os portos deste itinerário são de uma riqueza imensa: Abu Dhabi, Doha (no Qatar), Manama (capital do Bahrain), Sir Bani Yas (nos EAU) e ainda Dubai, com uma noite em porto!

Este é um grande itinerário, e vou mostrar-vos tudo o que fizemos em cada um dos portos visitados!

Dia 1 – Doha, Qatar

Doha – Mina District

Doha, a moderna capital do Qatar, é uma das mais belas cidades desta região do Golfo Pérsico e uma das minhas preferidas neste itinerário do MSC Virtuosa.

Primeira escala para começar em grande. Depois do “dilúvio” de ontem no Dubai, um dia cheio de sol e com temperaturas de verão, como eu gosto.

Saímos cedo do navio e aproveitamos o transfer da MSC para o centro de Doha (11€ ida e volta). O autocarro deixa-nos mesmo à entrada do Souq Waqif, o maior e mais antigo mercado tradicional de Doha.

Às ruas estreitas e cheias de comerciantes, juntam-se os turistas que procuram de tudo um pouco, na vasta oferta deste souq. Desde vestuário tradicional árabe, especiarias, joalherias e recordações, até museus e às habituais esplanadas e restaurantes, este mercado é ponto de passagem obrigatório para qualquer navio que escala em Doha.

Mesmo ao lado está a Corniche de Doha, uma larga avenida, em frente ao mar, para tirar magníficas fotos da zona de West Bay, onde se encontram os maiores arranha céus da cidade.

É também aqui, que se podem comprar os passeios nos barcos tradicionais do Qatar numa voltinha pela baía de Doha.

No regresso passamos ainda pelo Centro Islâmico, que inclui várias valências no âmbito da promoção da cultura árabe e da religião islâmica.

Este centro possui uma mesquita, cujo minarete se parece com um grande bolo de aniversário, devido ao seu design em espiral, inspirado na Grande Mesquita de Samarra, no Iraque.

Mesmo ao lado do porto novo de Doha, está o Mina District, um bairro cosmopolita repleto de lojas de marca, belos restaurantes, e um irrepreensível mercado de peixe que vale pena visitar.

Principais atrações em Doha:

  • Museu Nacional do Qatar
  • Centro Cultural de Katara
  • A Ilha The Pearl
  • Museu de Arte Islâmica
  •  Forte de Al Zubarah
  • Centro Comercial Villaggio
  • Mesquita Sheikh Muhammad Ibn Abdul Wahhab

Dia 2 – Bahrain

Grande Mesquita de Al-Fateh

Novo porto, novo país. O Bahrain substituiu Dammam, na Arábia Saudita, e penso que o itinerário melhorou. O pequeno emirado do Golfo Pérsico tem mais motivos de interesse e dois dos principais são a Grande Mesquita de Al-Fateh o Museu Nacional do Bahrain.

A mesquita é mesmo o maior local de culto do país, e fica situada na capital Manama, a poucos minutos do porto de cruzeiros. Sem a exuberância da Grande Mesquita de Abu Dhabi, a mesquita de Al-Fateh tem um amplo átrio central, com os tradicionais candelabros e uma cúpula de 60 toneladas, inteiramente construída em fibra de vidro.

As visitas são permitidas mas o código de vestuário é apertado, tanto para homens como para mulheres. No local são fornecidos gratuitamente abaias e véus a quem não estiver vestido de acordo com as regras.

A visita seguinte, não muito longe da mesquita, foi o bonito Museu Nacional do Bahrain, o local indicado para aprender sobre o rico património cultural e arqueológico do Bahrain.

Com mais de 20.000 metros quadrados de extensão, as suas salas abrigam tumbas, manuscritos, peças de artesanato e recreações dos principais ensinamentos da religião islâmica.

Museu Nacional do Bahrain

O almoço foi no Crowne Plaza Manama, ao estilo buffet, já integrado neste tour privado que fizemos.

Já com as energias repostas, passamos por um mercado tradicional, sem especial atração, bem como pelo Forte do Bahrain, conquistado, ampliado e modernizado pelos portugueses no séc. 16.

Forte do Bahrain

Esta fortaleza é Património Mundial da UNESCO, mas foi difícil visitar devido à forte chuva que se abateu sobre Manama. Ficará para uma próxima oportunidade uma visita mais aprofundada.

Estamos em pleno inverno e as temperaturas rondam os 25 a 30 graus, mas hoje, com rara frequência, caiu uma grande chuvada que nos impediu de prosseguir o passeio.

Principais atrações em Manama:

  • Grande Mesquita de Al-Fateh
  • Museu Nacional do Bahrain
  • Forte do Bahrain
  • Bahrain World Trade Centre
  • Mercado Tradicional de Manama

Dia 4 – Abu Dhabi

Grande Mesquita do Sheikh Zayed

Eu bem digo que este itinerário é extremamente rico em destinos, e esta é mais uma das pérolas do Golfo Pérsico: a cidade de Abu Dhabi, parte do maior emirado com o mesmo nome, e capital dos Emirados Árabes Unidos.

Abu Dhabi nasceu como um centro de comércio e cultura na região, e a sua importância cresceu ainda mais com a descoberta do petróleo nas décadas de 50 e 60, impulsionando o seu rápido desenvolvimento e transformação numa cidade moderna e próspera.

Capital dos Emirados Árabes Unidos, é o centro político e administrativo do país, onde estão localizados os principais órgãos governamentais, incluindo o gabinete do presidente e do governo.

Abu Dhabi é conhecida pelas suas infraestruturas modernas, incluindo arranha-céus impressionantes, hotéis luxuosos, centros comerciais de classe mundial e uma série de atrações culturais e turísticas.

Entre as principais atrações de Abu Dhabi estão a Grande Mesquita do Sheikh Zayed, uma obra prima da arquitetura islâmica, que merece visita obrigatória, o Emirates Palace Hotel, a Corniche de Abu Dhabi, também conhecida por Manhattan da Arábia, com a sua grande avenida em frente ao mar e com os arranha-céus no horizonte, o Ferrari World, um parque temático que inclui um museu da Ferrari, o Heritage Village, o Palácio Presidencial Qasr Al Watan, entre outras.

Emirates Palace Hotel

O nosso primeiro destino foi a Grande Mesquita, uma obra incrível que detém vários recordes, entre os quais o maior tapete e maior candelabro suspenso do mundo. É também de entrada gratuita, mas as regras de vestuário são apertadas, bem como as de segurança.

Atenção que a mesquita não fornece vestuário para quem não for devidamente preparado. Os homens devem vestir calças e podem levar t-shirt, enquanto as mulheres devem estar vestidas até ao tornozelo, manga comprida e lenço a tapar o cabelo.

Outras visitas que fizemos hoje foi ao Heritage Village, um museu que reflete a vida dos antepassados dos Emirados, como um povo beduíno que vivia no deserto.

Visitamos também um mercado tradicional, passando, especialmente, pelo mercado das tâmaras, o fruto oficial do país.

Depois seguimos pela Corniche, para uma sessão de fotos do Emirates Palace (não recebe visitas) e pelo Palácio Presidencial (Qasr Al Watan), que, infelizmente, estava encerrado, no âmbito das comemorações do início do Ramadão.

Principais atrações em Abu Dhabi:

  • Grande Mesquita Sheikh Zayed
  • Emirates Palace
  • Museu do Louvre Abu Dhabi
  • Circuito Yas Island
  • Corniche de Abu Dhabi
  • Palácio Presidencial Qasr Al Watan
  • Ferrari World Park

Dia 5 – Sir Bani Yas

Sir Bani Yas

Nada como uma bela praia para podermos relaxar um pouco dos passeios que temos feito. Sir Bani Yas é a escala perfeita!

Na verdade, grande parte da ilha, pertencente ao emirado de Abu Dhabi, é constituída pelo Parque Nacional, uma extensão de reserva protegida, que visa conservar a vida selvagem e os ecossistemas únicos da ilha, incluindo várias espécies de animais ameaçadas de extinção.

Foi construída pelo pai da nação dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Zayed bin Sultan Al Nahyan, como parte dos esforços de conservação da vida selvagem e da natureza.

Muitos dos nossos companheiros de viagem fizeram esta excursão para ver a reserva natural e os animais selvagens, num programa de pouco mais de uma hora. Estas excursões são providenciadas apenas pela MSC e os preços começavam por volta dos 70€ por pessoa.

Para nós foi um dia de descanso, entre banhos de sol e de mar, nas várias praias da ilha, todas exclusivas dos passageiros do MSC Virtuosa.

Quem está em Yacht Club tem uma área privada, enquanto os outros passageiros têm varias escolhas. Apenas sugiro que não fiquem logo pelas primeiras praias, à saída do cais, pois são mais congestionadas e têm também mais pedras no mar. As outras, mais afastadas, tem mais espreguiçadeiras disponíveis e menos pedras.

Esta zona está bem equipada, com várias estações de bebidas, quartos de banho e até um restaurante buffet, providenciado pela MSC, para quem não quiser subir ao navio. Também está disponível internet na ilha. Além de praia, é possível fazer alguns desportos aquáticos, como paddle, caiaque, mergulho, snorkeling ou jet ski.

Dia 6 – Dubai

Restaurante The Burj Club

Chegamos ao último porto com direito a uma overnight! Quer isto dizer, que podemos sair e entrar do navio durante toda a estadia em porto. Podemos, e foi mesmo isso que fizemos, ir jantar ao Dubai, e voltar para o navio às horas que quisermos!

Mas o dia começou mais cedo, logo de manhã, quando saímos com destino ao Mercado das Especiarias, situado no Dubai antigo, o Dubai onde tudo começou, onde tudo é mais autêntico e tradicional.

Aqui, pudemos admirar as pequenas lojas de especiarias, os comerciantes de ouro, e tantas outras ofertas, para levarmos as melhores recordações do Dubai.

Já vos disse que é aqui que se encontra o maior anel do mundo? Pois é! Chama-se Najmat Taiba e dizem que tem 64kg de ouro, 5kg de diamantes e ainda 615 cristais Swarovski! Está (alegadamente) avaliado em mais de 3 milhões de dólares!

O Jardim dos Milagres foi o nosso próximo destino, já um pouco distanciado do Dubai antigo. Este jardim é um milagre a céu aberto, casa de mais de 150 milhões de plantas e flores que crescem em pleno deserto, de todas as formas e feitios.

Jardim dos Milagres

É, de facto, incrível como é que irrigam este enorme jardim, quando só chove meia dúzia de vezes por ano aqui no Dubai?

Simples, a água é captada diretamente das águas residuais da cidade e transportada por condutas próprias para as instalações do jardim, onde é filtrada e convertida em água de alta qualidade para as plantas e flores. A rega, por sua vez, tem lugar apenas uma vez por dia, e realiza-se sempre durante a noite. Incrível não é?

Incrível é também as formas das estruturas florais que nos são apresentadas no jardim, desde personagens da Disney em tamanho gigante a castelos de contos de fadas passando por uma réplica, em tamanho real, de um Airbus A380 da Emirates!

O Jardim dos Milagres encontra-se encerrado entre maio e setembro, que coincide com os meses mais quentes no Dubai.

Depois de um breve almoço no Mall of Emirates, seguimos para o Museu do Futuro, considerado o edifício mais belo do mundo pela National Geographic.

Possui uma fachada de aço inoxidável, iluminada por 14 mil metros de caligrafia árabe, onde se pode ler frases do Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum, como por exemplo, “O futuro pertence àqueles que conseguem imaginá-lo, projetá-lo e executá-lo.” Totalmente adequado.

Museu do Futuro

A estrutura, de sete andares, está dividida por áreas: o espaço, os ecossistemas, a bioengenharia, a saúde e o bem-estar, com uma forte presença de realidade virtual e aumentada, robótica e inteligência artificial.

O Burj Khalifa era o nosso próximo destino para subirmos até ao 124º andar e contemplar as vistas em 360 graus do Dubai. Apesar da cidade ser incrível à noite, com todos os arranha-céus iluminados, não é a altura ideal, dada a grande afluência de turistas ao espaço. Sugiro mesmo que o façam da parte da manhã, menos congestionado.

Vista noturna do Burj Khalifa

Após uma longa espera na fila, lá subimos num super-elevador que nos levaria ao 124º piso em exatamente 1 minuto! As fotos que podem ver falam por si! A maior atração do Dubai vale cada centavo!

O nosso jantar foi no The Burj Club, com a noite já instalada no Dubai. Este restaurante fica situado no complexo do Burj Khalifa com vistas privilegiadas para o edifício e também para o Dubai Fountain, onde assistimos ao magnífico espetáculo das fontes.

Foi um ótimo jantar numa magnífica localização, para acabar em beleza esta nossa aventura pelas Arábias.

Principais atrações no Dubai:

  • Burj Khalifa, Dubai Mall e Dubai Fountain
  • Dubai Marina
  • Hotel Burj Al Arab
  • Dubai Frame
  • Palm Jumeirah
  • Jardim dos Milagres
  • Bairro Histórico de Al Fahidi
  • Passeio de barco pelo Dubai Creek
  • Passeio e Jantar no Deserto

O que mais gostei

Duas coisas saltam logo à vista, o itinerário e o navio. O primeiro, com puderam ver neste artigo, é dos melhores que já fiz, juntando cultura, história e arquitetura à excentricidade, luxo e inovação. Andamos quilómetros, a pé e de autocarro, para podermos ver o máximo…. e há tanto para ver! Pelo meio, dois dias de descanso, um de navegação outro de praia, na fantástica ilha de Sir Bani Yas.

Depois pelo navio. O MSC Virtuosa faz parte da minha classe de navio favorita da MSC, com a grande promenade interior a abrir um grande leque de entretenimento e opções gastronómicas.

Por falar em opções gastronómicas. O serviço de jantar, na sala principal, foi sempre muito bem conseguido, quer ao nível das escolhas dos menus, quer ao nível da rapidez do serviço, nem muito rápido nem muito lento. Diria que estava no ponto.

Mas há mais, gostei particularmente da parceria da MSC Cruzeiros com a Emirates, para facilitar o check-in de quem vai voar com esta companhia no dia seguinte. Na noite do último dia do cruzeiro, pudemos sair do navio até ao terminal de cruzeiros, onde uma equipa da Emirates disponibilizava o check-in antecipado, bem como a receção das malas que pretendíamos despachar. Isso mesmo, não nos preocuparíamos mais com a mala de porão, nem no navio, nem no aeroporto do Dubai. Já com os bilhetes de avião na mão, as nossas malas já estavam a caminho de Lisboa. Muito bom!

O que menos gostei

Há de facto aqui alguns elementos a melhorar. Custa-me voltar a este ponto, mas a verdade, é que não tenho notado melhorias significativas. O serviço de bar continua lento e despreocupado. Por vezes, estão tantos funcionários quanto clientes, e mesmo assim, a eficiência continua baixa. Não somos nós que temos que chamar o funcionário, são eles que têm que nos atender. E nesse aspeto, têm que estar mais atentos e mais espevitados.

Um outro pormenor que não foi acautelado: não havia cerveja Heineken durante boa parte do cruzeiro, e a substituição proposta, nem sequer era cerveja… É certo que o fornecimento de alimentação e bebidas para esta zona do globo ficou muito limitada, devido à impossibilidade de circulação dos navios pelo Canal do Suez, obrigando a contornar África, mas não deixa de ser um aspeto importante, que convém corrigir logo que possível.

Ainda pensei que fossem os russos a acabar com o stock de cerveja (eram a maior nacionalidade a bordo) mas tal não se confirmou 🙂

Está não foi a primeira vez que estive num cruzeiro nos Emirados. Já antes fiz um itinerário semelhante a bordo MSC World Europa, e outro, a bordo MSC Splendida, com a particularidade de este ter ido a Muscate e Khasab, em Omã.

Grupo Dubai 2024

A todos os que nos acompanharam o meu muito obrigado!

Share this

Novo Cruzeiro de Grupo: Ilhas Gregas a bordo do Celebrity Infinity!