Royal Caribbean

Grupo Royal Caribbean divulga importante atualização face à nova variante Omicron

Oasis of the Seas

O conhecimento sobre a COVID-19 e como lidar com a doença tem estado em constante mudança nos últimos dois anos. A variante Omicron alterou significativamente o estado da COVID-19 em todo o mundo, e o Grupo Royal Caribbean não é exceção.

Conforme amplamente divulgado, a variante Omicron é significativamente mais infeciosa do que as anteriores e já se tornou dominante nos EUA e noutros países. Felizmente, a Omicron também parece causar sintomas significativamente menos graves do que as variantes anteriores, especialmente em pessoas vacinadas. Os navios de cruzeiro continuam a ser um dos poucos sítios onde se pode passar férias sabendo que quase todas as pessoas estão totalmente vacinadas.

A experiência recente nos navios do Grupo Royal Caribbean é consistente com estas observações. Os números indicam um aumento de pessoas com teste positivo sem um aumento correspondente de pessoas que adoecem. Desde que os cruzeiros retomaram as operações nos EUA, em Junho de 2021, o Grupo Royal Caribbean transportou mais de um milhão de passageiros com 1.745 testes positivos – uma taxa de positividade de 0,02%. Além disso, a grande maioria destes casos não apresentava sintomas ou apresentava apenas sintomas leves, com apenas 41 pessoas a necessitar hospitalização. Nenhum dos casos com a variante Omicron foi grave ou precisou de cuidados hospitalares. Estes números são resultado de quase todos a bordo terem sido vacinados e terem um teste negativo antes do embarque.

A Omicron está a ter um grande impacto de curto prazo em todos, mas muitos observadores veem isso como um grande passo para que a COVID-19 se torne endémica em vez de epidémico“, disse Richard Fain, Presidente e CEO. “Não gostamos de ver nem mesmo um caso, mas a nossa experiência é uma fração das estatísticas comparáveis ​​a praticamente qualquer outro local ou setor comparável. Poucas empresas estão sujeitas a tão intenso escrutínio, regulamentação e requisitos de divulgação por tantas autoridades, e congratulamo-nos com este escrutínio devido ao nosso compromisso com a segurança. Pretendemos manter o nosso objetivo de proporcionar férias mais seguras em terra e no mar e ajustaremos constantemente os nossos procedimentos para o conseguir, mesmo face à incrível transmissibilidade da Omicron.

O diretor médico do Grupo Royal Caribbean, Dr. Calvin Johnson, acrescentou: “A empresa está a navegar com informações em constante evolução sobre a variante Omicron. A nossa contagem de casos disparou, mas o nível de gravidade é significativamente mais leve. Vamos permanecer ágeis e em constante contato com as autoridades de saúde. Por exemplo, mesmo antes da Omicron, demos a todos os nossos tripulantes doses de reforço à medida que se tornavam elegíveis.”

Leia também  Royal Caribbean acaba com vacinação obrigatória a partir de Setembro

A empresa experimentou um declínio nas reservas e um aumento nos cancelamentos para viagens de curto prazo, mas em menor grau do que com a variante Delta. Os coeficientes de ocupação para itinerários no primeiro semestre de 2022 permanecem abaixo dos níveis históricos, como esperado. No entanto, as viagens para o segundo semestre de 2022 continuam a ser reservadas dentro de intervalos históricos, a preços mais altos com e sem Crédito para Cruzeiros Futuros (FCCs), com forte procura no importante mercado dos EUA.

A indústria de viagens está a passar por interrupções significativas no transporte aéreo e outros fornecedores de serviços devido à disseminação da Omicron. Estas interrupções são particularmente impactantes durante a temporada de férias, pois a necessidade aumenta e a oferta de trabalho é afetada pelo atual aumento de casos. Além disso, a empresa está a passar por interrupções no serviço em alguns destinos e, até ao momento, cancelou ou modificou 16 portos de escala de um total de 331. A companhia espera que estas interrupções continuem no curto prazo e diminuam conforme o mundo se adapta às tendências atuais.

Fain concluiu: “Estamos constantemente a aprender à medida que a Omicron parece inaugurar uma nova fase na luta contra a COVID-19. Esperamos que estes fatores tenham um impacto negativo a curto prazo, mas estamos otimistas de que nos levarão a um ambiente de saúde mais difundido, mas menos severo. Em conjunto, deve permitir-nos produzir um ano de forte transição em 2022 e muito forte em 2023. ”

 

Cruzeiro de Grupo Fiordes da Noruega Venha connosco nesta Viagem em Junho de 2023!