Notícias

Cruise Lines International Association (CLIA) publica o Inventário de Tecnologias e Práticas Ambientais e o Relatório Ambiental da Oxford Economics referentes a 2021

Costa Smeralda em Barcelona

A Cruise Lines International Association (CLIA), o grande expoente da indústria global de cruzeiros, publicou o seu Inventário de Tecnologias e Práticas Ambientais e o respetivo Relatório Ambiental elaborado pela Oxford Economics (OE).

O relatório, que evidencia o compromisso do setor com as práticas de turismo responsável e com o progresso contínuo no desenvolvimento e implementação de novas tecnologias ambientais, surge numa altura em que os associados transoceânicos da CLIA se comprometem a descarbonizar as operações de navios, estabelecendo uma meta de cruzeiros com emissão zero até 2050.

Embora o nosso setor tenha sido um dos mais afetados pela pandemia, as companhias de cruzeiro permanecem na vanguarda do desafio de desenvolver novas tecnologias ambientais que beneficiem todo o setor da navegação“, afirmou Kelly Craighead, presidente e CEO da Cruise Lines International Association (CLIA). “A nossa indústria está empenhada em atingir a neutralidade carbónica nas operações de navios até 2050, e a CLIA e as nossas companhias de cruzeiros associadas já estão a investir em novas tecnologias e combustíveis mais limpos para concretizar este desiderato.

Pela primeira vez, o Relatório Ambiental da OE aborda igualmente o desafio inerente à necessidade de novos combustíveis alternativos e das medidas que a indústria está a tomar para sustentar esta evolução. Além do GNL, é de realçar que mais de três quartos da frota global de cruzeiros, por capacidade de passageiros, já estão equipados de forma a utilizar combustíveis alternativos.

As fontes de combustível alternativas aos fuelóleos pesados em desenvolvimento incluem biodiesel, metanol, amoníaco, hidrogénio e baterias elétricas. De acordo com o relatório, subsistem obstáculos de ordem técnica, de abastecimento e regulamentar à adoção em larga escala destes combustíveis, mas o investimento crescente da indústria de cruzeiros em novos navios está a facilitar a investigação e o desenvolvimento dos mesmos.

Este relatório mostra uma indústria de cruzeiros resiliente, inovadora e virada para o futuro“, garantiu Pierfrancesco Vago, presidente da CLIA Global. “Sabemos que ainda temos muito trabalho pela frente, mas a indústria de cruzeiros tem demonstrado tanto o seu compromisso como a sua capacidade de enfrentar o desafio. A indústria de cruzeiros é um impulsionador da inovação marítima verde, que será fundamental para a descarbonização do transporte marítimo. Foi o que levou a CLIA a juntar-se a outras organizações marítimas no sentido de propor um fundo de investigação e desenvolvimento no valor de 5 mil milhões de dólares, a ser gerido pela OMI, para fomentar o desenvolvimento de combustíveis e tecnologias de propulsão que não causem qualquer aumento dos gases com efeito de estufa.”

De acordo com o relatório, as companhias de cruzeiro transoceânicas da CLIA continuam a registar progressos substanciais numa série de áreas:

  • Capacidade de alimentação a partir da rede elétrica terrestre – as companhias de cruzeiro continuam a fazer investimentos significativos para os navios de cruzeiro poderem receber energia diretamente da rede elétrica terrestre, o que permitirá desligar os motores quando os navios estiverem atracados. Embora seja necessário um investimento significativo em infraestruturas portuárias, existem bastantes parcerias entre companhias de cruzeiro, portos e autoridades locais que permitem aumentar a disponibilidade.
    • 82% da nova capacidade de construção assumiu o compromisso de ficar equipada com capacidade de alimentação a partir da rede elétrica terrestre ou será configurada de modo a poder receber essa energia no futuro.
    • 35% da capacidade global (até 2,3 pontos percentuais desde 2020) estão equipados para operar com eletricidade da rede terrestre nos 14 portos em todo o mundo onde essa capacidade é fornecida em pelo menos um posto de acostagem.
  • Combustível de GNL– O relatório de 2021 dá conta de que 52% da nova capacidade de construção irá utilizar GNL para propulsão primária, o que representa um aumento de 3 pontos percentuais da capacidade global em comparação com 2020.
  • Sistemas de limpeza de gases de escape (EGCS)– Mais de 76% da capacidade global utiliza EGCS de modo a cumprir ou ir além dos requisitos em matéria de emissões atmosféricas, o que representa um aumento de capacidade de 7 pontos percentuais em relação a 2020. Além disso, 94% das novas construções não GNL terão EGCS instalados, em linha com o já elevado nível histórico de investimentos.
  • Sistemas avançados de tratamento de águas Residuais (AWTS)100% dos novos navios encomendados têm sistemas avançados de tratamento de águas residuais, e atualmente 74% da capacidade da frota de cruzeiros transoceânicos da CLIA é servida por sistemas avançados de tratamento de águas residuais (um aumento de 4 pontos percentuais em relação a 2020). Importa destacar que cerca de 20% da capacidade da frota está equipada com AWTS aprovados e capazes de cumprir as normas de descarga de azoto e fósforo da Zona Especial do Mar Báltico (Anexo IX da MARPOL, OMI).
Leia também  Noruega pode aumentar as restrições aos navios de cruzeiro

As companhias de cruzeiro dos associados da CLIA comprometeram-se com uma redução de 40% na taxa de emissões de carbono em toda a frota global até 2030, em comparação com 2008, em consonância com as expetativas de redução da intensidade de carbono da Organização Marítima Internacional (OMI).

Para mais informações, poderá consultar o site https://cruising.org/en/environmental-sustainability.

Precisa de Aconselhamento? Sugestões de Itinerários? Dicas sobre Navios? Nós ajudamos!